Resultados do “Levantamento Anual de 2016 sobre Aves Selvagens de Macau” e do “Censo Internacional de Colhereiros de Bico Preto 2017”

   
Data de Publicação: 18/05/2017

Com o objectivo de proteger a população de aves selvagens de Macau e o seu ecossistema natural, o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) efectua, desde 2006, visitas mensais às diferentes zonas florestais, terras húmidas, zonas entre marés e parques para proceder ao levantamento de aves, a fim de conhecer a sua diversidade e ecologia.

De acordo com os resultados do levantamento realizado em 2016, foram identificadas mais de 35 espécies de aves em cada um dos pontos observados, abrangendo o Trilho da Taipa Grande, o Trilho da Taipa Pequena 2000, o Circuito da Barragem de Hac-Sá, a Rede de Trilhos do Nordeste de Coloane, o Circuito da Barragem de Ká Hó, as terras húmidas próximas da Casas-Museu da Taipa e as Zonas Ecológicas I e II do Cotai. Ao longo do ano, foram identificadas 126 espécies de aves, pertencentes a 40 famílias e 11 ordens, sendo as espécies dominantes Pycnonotus sinensis (ave florestal) e Egretta garzetta (ave aquática). As espécies mais comuns incluíram 10 espécies (pássaros da floresta: Zosterops japonicas, Acridotheres cristatellus, Spilopelia chinensis, Leucodioptron canorum, Apus nipalensis e Passer montanus; aves aquáticas: Anas crecca, Nycticorax nycticorax, Ardea cinerea e Ardea modesta e outras 5 espécies, classificadas com o Nível II de Protecção Estatal na China, nomeadamente Platalea minor (colhereiro de bico preto), Milvus migrans, Accipiter virgatus, Buteo buteo e Centropus sinensis. Entre as espécies descobertas destacam-se Gorsachius melanolophus, Charadrius placidus, Monticola gularis, Capella stenura, Hydrophasianus chirurgus, Tringa guttifer, Tringa erythropus e Pitta nympha.

Desde o Inverno de 2013 que o IACM se tem associado à Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental e à Macau Aves Society na realização de diversos levantamentos aviários, conduzidos pela Hong Kong Bird Watching Society e que incluíram o “Censo Internacional de Colhereiros de Bico Preto”, o “Levantamento da População de Inverno de Colhereiros de Bico Preto no Delta do Rio das Pérolas” e o “Levantamento de Aves Aquáticas no Litoral de China”. No “Censo Internacional de Colhereiros de Bico Preto” de 2017, em que participaram, no total, 17 países e regiões, foram registados, globalmente, 3.941 colhereiros, um aumento de 585, o que regista um crescimento de 17,4% em relação a 2016. Em Macau, foram identificadas 44 destas aves invernantes, sendo que duas delas possuíam anilha de identificação na pata. O IACM informou os outros participantes do Censo sobre estas importantes descobertas, no que diz respeito aos aspectos migratórios dos colhereiros de bico preto e irá continuar o seu esforço de conservação de espécies raras de aves, através da cooperação regional.

As aves são um meio totalmente natural de controlar pragas e propiciar a reprodução natural de florestas, que desempenham um papel activo no equilíbrio da Natureza. Como parte dos esforços de conservação das aves em Macau, o IACM plantou uma variedade de plantas frutíferas e nectaríferas em várias zonas florestais, incluindo mangais ao longo da costa da Zona de Lazer da Marginal da Taipa, a fim de proporcionar espaço de nidificação e procura de alimentos para os pássaros.