Zona de Observação Ecológica das Terras Húmidas da Taipa aberta em Julho

   
Data de Publicação: 30/06/2017

        O 17º Festival da Flor de Lótus – “O Aroma do Lótus Perfuma a Cidade de Macau”, organizado pelo Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), foi concluído com sucesso em meados de Junho. Durante o evento, a Zona de Observação Ecológica das Terras Húmidas da Baía de Nossa Senhora da Esperança, junto às Casas-Museu da Taipa, foi muito procurada pelo público. Em resposta a esta grande procura, a zona continuará aberta em Julho.

Durante o festival, o IACM colocou flores de lótus por toda a cidade, incluindo jardins, zonas verdes junto às vias públicas e pontos de atracção turística, com vista a espalhar a fragrância do lótus por toda a cidade. O expositor principal localizou-se na zona das Casas-Museu da Taipa, na Avenida da Praia, e foi aberta ao público a Zona de Observação Ecológica das Terras Húmidas. A abertura da Zona de Observação Ecológica foi muito bem acolhida pelo público, tendo-se registado, no espaço de quatro dias, 3.578 visitas.

No início da década de 1990, após vários anos de realização de projectos de obras de aterro, surgiu a zona de terras húmidas da Taipa, que consistia em águas provenientes de águas subterrâneas e da chuva. Contudo, como esta área foi conquistada ao mar, o teor de salinidade do solo era muito elevado, enquanto a água que a preencheu era doce, colocando um grande desafio ao desempenho dos trabalhos de conservação ecológica. Naquela época, para resolver a questão, o IACM adoptou uma nova prática de plantação de raízes de lótus envolvidas em terra proveniente de outros solos com um teor de salinidade mais baixo e, portanto, não prejudicial ao desenvolvimento da planta. As flores de lótus cresceram bem graças à aplicação deste método de plantação e adaptaram-se ao ambiente daquela zona.

À medida que os lótus cresciam em grande número, para acelerar o ambiente ecológico naquela zona, o IACM introduziu plantas que se adaptavam às suas condições especiais. Com o passar dos anos, as plantas produziram os devidos efeitos e começaram a neutralizar a salinidade do solo, que começou a ser purificado. A partir de então, as plantas começaram a registar um crescimento exuberante, atraindo muitas aves, o que contribuiu para um renascimento da diversidade biológica e criou o ambiente que hoje se encontra junto às Casas-Museu da Taipa.

Depois da conclusão do 17º Festival da Flor de Lótus de Macau, as flores de lótus continuam a crescer. Desta forma, o IACM considerou oportuno manter aberta a Zona de Observação Ecológica das Terras Húmidas junto às Casas-Museu da Taipa durante o mês de Julho. Nesta zona, encontram-se várias plantas aquáticas, tendo sido instaladas placas informativas com Códigos QR no local, para os visitantes conhecerem os seus pormenores. O público pode ter também acesso à zona através de corredores de madeira, que permitem uma maior aproximação e contacto com a Natureza.

O horário de funcionamento desta Zona de Observação Ecológica é aos Sábados e Domingos, das 7:00 às 18:00 horas, sem interrupção para almoço. O IACM apela ao público para visitar o local de forma ordeira, respeitar o ambiente ecológico e as respectivas regras de segurança.