Balanço anual das análises a produtos alimentares à venda no mercado

Data de Publicação: 26/01/2017

O Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) procede, de forma constante e através do mecanismo do controlo e fiscalização, à avaliação dos riscos e da situação higiénica dos produtos alimentares colocados à venda no mercado local. No 4.º trimestre do ano de 2016, o Centro de Segurança Alimentar recolheu amostras de vários produtos alimentares para as submeter a análises, sendo que foram detectadas anomalias em duas amostras. Em paralelo, o Centro de Segurança Alimentar recolheu, após a divulgação dos resultados dos testes a produtos alimentares alusivos ao Ano Novo Lunar, cinco amostras de “Pun Choi” em estabelecimentos de venda de alimentos a retalho, inclusive estabelecimentos de comidas, restaurantes, etc., para as submeter a análises microbiológicas, não tendo encontrado qualquer anomalia.

Tendo em vista garantir a segurança alimentar dos consumidores, o Centro de Segurança Alimentar elabora, de acordo com os tipos e características de produtos de alimentos à venda nos mercados, planos de investigação e colheitas de amostras de produtos alimentares de diversos tipos, sendo de destacar a “Investigação de alimentos correntes” e a “Investigação de alimentos nos estabelecimentos de comidas”. A recolha abrange os estabelecimentos de take away, estabelecimentos de comidas e bebidas, supermercados, mercearias, centros comerciais, etc., e compreende alimentos prontos a consumir, bebidas, cereais, óleos, petiscos, entre outros. No 4º trimestre de 2016, o Centro de Segurança Alimentar recolheu um total de 519 amostras, que submeteu a análises químicas, microbiológicas e níveis de radioactividade. Entre essas amostras, uma relacionada com passas de uvas e uma com a jujuba não passaram na inspecção sobre o dióxido de enxofre.

Em síntese, em 2016, o Centro de Segurança Alimentar do IACM recolheu cerca de 2 494 amostras de produtos alimentares para as sujeitar a diferentes análises e investigações. Das amostras analisadas, 8 reprovaram na inspecção e as restantes foram todas aprovadas. No geral, a taxa de aprovação atingiu mais de 99%. Face aos casos reprovados já referidos, o Centro de Segurança Alimentar acompanhou de imediato o seu tratamento, comunicando aos departamentos de segurança alimentar das regiões vizinhas a origem dos produtos e solicitando aos comerciantes a tomada das medidas de controlo e prevenção. Em simultâneo, divulgou em comunicado de imprensa os referidos casos para impedir a expansão do risco. Os resultados da inspecção de produtos alimentares correntes nos mercados do ano de 2016 encontram-se já disponíveis na página electrónica da Informação sobre Segurança Alimentar em www.foodsafety.gov.mo. Os cidadãos podem aí obter  informações em pormenor.  

Além da inspecção local, o Instituto coopera ainda com a Administração de Inspecção e Quarentena à Saída e Entrada da Cidade de Zhuhai, com vista a reforçar a fiscalização a produtos alimentares a importar pela RAEM. As duas partes estabeleceram já comunicação e mecanismos de cooperação regional eficazes e contantes. Caso seja detectada qualquer anomalia, todas essas iniciativas permitem que se proceda a uma comunicação imediata, verificação de dados e informações e identificação da origem dos produtos, pois ao impedir a entrada e circulação dos produtos alimentares com anomalias na RAEM é possível diminuir potenciais riscos para a segurança alimentar. De acordo com as estatísticas dessa Administração, os 20 mil lotes de produtos alimentares de Zhuhai que abasteceram Hong Kong e Macau, com um peso total de 197 mil toneladas e no valor de 211 milhões de dólares americanos, não registaram qualquer incidente em relação à sua qualidade.

Nas vésperas do Ano Novo Lunar, a Administração de Inspecção e Quarentena à Saída e Entrada da Cidade de Zhuhai intensificou, em todas as fronteiras, a fiscalização a produtos aquáticos, aves, ovos e seus derivados e a produtos alimentares alusivos ao Ano Novo Lunar importados por Hong Kong e Macau, ora aumentando a frequência de investigações e inspecções, sobretudo as inspecções sistemáticas às fontes de criação, produção, processamento, transporte e origem de produtos alimentares, ora procurando aperfeiçoar os planos de contingência para dar resposta a eventuais incidentes,  tendo por causa esses produtos alimentares.

A par disso, o Centro de Segurança Alimentar do IACM recolheu cinco amostras de “Pun Choi” em estabelecimentos de venda a retalho, inclusive em  estabelecimentos de comidas, restaurantes, etc., que, após terem sido submetidas a análises microbiológicas, não revelaram qualquer anomalia. Recentemente, a autoridade divulgou também os resultados das análises microbiológicas e químicas feitas a produtos alimentares alusivos ao Ano Novo Lunar, mais concretamente a 130 amostras de doces e frutas cristalizadas chinesas, doces ocidentais, pevides e bolos. Os testes efectuados a todas estas amostras mostraram resultados normais.